Projeto Vida para Todos

Ore, divulgue e participe!! www.urgem.org

Escola Dominical 3º Trimestre 2014

Participe, entre em nossa página oficial clicando [aqui]

Encontro de casais 2015

Faça sua Inscrição, Clique [aqui]

Disputando os primeiros lugares Por Pr. Aparecido Máximo Timóteo

Texto: (Mat. 20. 20-28). Tema: O versículo 26 apresenta o tema deste trecho: [...] quem quiser ser o primeiro entre vós, será esse o que vos sirva. Introdução: A busca pelo poder no seio da Igreja é tão antiga quanto o surgimento da própria instituição. Os sinóticos registram as pretensões dos filhos de Zebedeu, que estimulados por uma genitora receosa com a sorte de seus rebentos, não só busca, porém os encoraja a buscarem ocupar o lugar de primeiros ministros no Reino de Jesus.   1- A busca pelo poder e suas consequencias: A reivindicação dos dois irmãos causou ciúmes e indignação nos outros dez discípulos. No entanto, não nos é informado como se deu a indignação dos dez discípulos contra os dois irmãos. Teriam eles externado este sentimento? A conversa se deu somente entre eles? Quem sabe algum tipo de suspiro ou burburinho que se podia ouvir no ar? Ou a expressão no rosto de cada um poderia manifestar a contrariedade pelo pedido dos outros dois? O que se pode perceber é o sofrimento e a decepção de Jesus ao perceber a falta de entendimento de seus discípulos mesmo depois de todos seus ensinos referentes à humildade e ao serviço (cf. Mateus 18.1-4; 19.14, 21). É grande o numero de cultores da Bíblia que asseveram que por trás desta narrativa estaria o conflito de interesse pelo poder nas primeiras agremiações cristãs. Os evangelistas teriam registrado o episódio para chamar a atenção dessas sociedades e orientá-las quanto à forma como deveriam lidar com a questão do poder. O apostolo João, embora não exponha este incidente, deixou registrado a parábola do Bom Pastor (Jo 10,11-21). Ele reflete sobre o poder na igreja cristã, censurando aquelas lideranças que se comportam como ladrões e assaltantes, não entrando "pela porta do curral” (Jo 10,1). Ao que tudo indica, trata-se de uma referência ao carreirismo e ao oportunismo já presentes nas comunidades cristãs do final do primeiro século da nossa era. Mais adiante, na narrativa conhecida como "Lava-pés”, João vai novamente criticar o autoritarismo e traz um ensinamento sobre como deveria ser o exercício do poder na comunidade cristã (Jo 13,1-17). Nos versículos nove e dez da sua Terceira Carta o ancião João denuncia certo Diótrefes "que ambiciona dominar” e, por isso, se recusa a aceitar as demais lideranças, difamando-as e expulsando-as da Igreja. 2- A Denuncia bíblica aos falsos adoradores: Paulo, em algumas de suas cartas, denuncia e critica o comportamento ambicioso de determinadas lideranças, as quais disputam ferozmente o poder dentro das comunidades cristãs por ele fundadas. O texto mais incisivo é aquele da Carta aos Gálatas na qual o apóstolo denuncia pessoas que estão semeando confusão nas comunidades e anunciando "um evangelho diferente” daquele que ele anuncia (Gl 1,6-10). Em Corinto, depois de seu esforço evangelizador, Paulo vê a comunidade se dividir em facções (1Cor 1,12; 3,4). Na Carta aos Filipenses (1,12-18) o apóstolo acusa aqueles que na comunidade agem por inveja e por espírito de competição. Tais "cães” e "falsos circuncidados” confiam "na carne” (3,2-4) e adoram o "deus-ventre” (3,19). A situação se agrava ainda mais quando, a partir de 380 aD, com o decreto de Teodósio, o cristianismo passa a ser religião de Estado e, aos poucos, as lideranças cristãs vão assumindo o estilo autoritário e tirânico de governar (Mc 10,42-43). Os bispos, os pastores e até o próprio Bispo de Roma, vão assimilando o jeito de ser dos imperadores e reis. Até os títulos imperiais (excelência, eminência, sumo pontífice, monsenhor, hodiernamente, gostam do titulo apostolo, Bispo, etc.) e as insígnias (coroas, anéis, tiaras, luvas, sapatilhas, mitras, casulas etc.) se tornam títulos e insígnias dos pastores da Igreja. Junto com o poder vem a riqueza, o luxo e a ostentação. E a guerra pelos primeiros lugares se torna violenta e cruel. Com frequencia vemos lideranças, coordenadores e ministros agarrando-se ao pequeno poder que lhes é concedido pelos cargos. Até a detenção da chave da gaveta do armário pode se tornar fonte de poder autoritário, dominador e opressivo, sentar-se nas primeiras cadeiras, por se em evidencia, mesmo que isso os exponham ao ridiculo, são fatos notorios e seria uma hipocrisia tentar negar o óbvio, ou seja, que existam disputas internas no interior da Igreja. Admitida esta realidade é indispensável repensar por completo a educação das lideranças cristãs, desde as mais simples até o mais alto escalão. Esta educação implica antes de tudo a clareza acerca da total incompatibilidade entre o modo de governar dos tiranos deste mundo e o governo eclesial: "Entre vocês não deverá ser assim” (Mc 10,43). A partir desta convicção a formação das lideranças deverá comportar o princípio fundamental de que o poder na comunidade cristã é exclusivamente serviço, de modo que fique bem evidente que quem não estiver disposto a servir não pode assumir nenhum tipo de liderança na Igreja: "quem de vocês quiser ser grande, deve tornar-se o servidor de vocês” (Mc 10,43). Este tipo evangélico de educação é um grande desafio para o momento, pois,  o vício está espalhado pelas igrejas cristãs e a visão mais comum é de que cargo ou função na Igreja é uma forma de dominar os outros e de mostrar poder sobre os demais. Não será fácil educar à maneira de Jesus: depor o manto do poder dominador e amarrar na própria cintura a toalha do diákonos, do servidor, do garçom, do empregado que serve à mesa (Jo 13,4). Quem se recusa a ver a função da liderança como serviço aos outros, se afasta automaticamente da igreja de Cristo (Jo 13,8). Torna-se um excluído no sentido técnico da expressão. Infelizmente deixamos de lado, ou seja, expulsamos da igreja os que pensam diferente, mas não nos damos conta de que todo obreiro, cooperador, diácono, todo ministro e toda liderança cristã que transforma o seu cargo ou função em poder, em dominação é um excluído. Por recusar-se a ser servidor exclui-se automaticamente do discipulado de Jesus: "não terá parte comigo” (Jo 13,8). Conclusão: Algumas pessoas são diretas, claras, sinceras, outras são retraídas, tímidas e dissimuladas, do tipo que atira a pedra e esconde a mão. Dependendo do ambiente, de quem está presente, os dissimulados vestem a máscara mais oportuna. O status social das pessoas costumam nortear seus comportamentos. Tem muita gente boa que na igreja é bem humilde, mas da porta para fora a coisa muda completamente e se a pessoa tiver um tiquinho de autoridade humana, aí é que a coisa se transforma inteiramente. É triste. Na comunidade cristã, de irmãos e de irmãs, o que conta é a capacidade de servir. Se há grandeza em alguém, esta grandeza deve ser medida por sua capacidade de, na humildade, servir aos outros (Mt 23,11-12). O resto é, no dizer do apóstolo Paulo, podridão, esterco, inclusive os "nobres títulos” com os quais algumas lideranças cristãs fazem questão de serem identificadas (Fl 3,1-14). Contudo, é hora de um posicionamento de todos os ambiciosos de poder: [...] quem quiser ser o primeiro entre vós, será esse o que vos sirva. "Não faças aos outros aquilo que não gostarias que te fizessem a ti. Essa é toda a Torá, o resto é  comentário; agora ide e aprendei." Hilel, o Ancião.   Pr. Aparecido Maximo Timóteo


Leia mais...

Como vencer a crise na familia de hoje? Por Pr. Joel Tavares

COMO VENCER A CRISE NA FAMILIA DE HOJE?

1. Introdução.

MT 7.24 .Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será
comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha; 25 e
caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto
contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha.
26 E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será
comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; 27 e
caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto
contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína.”

Família que sofreram crise na historia. Crise foi a de Adão. A crise surgiu
entre os seus filhos. Caim começou a encher o seu coração com ciúme e
inveja. Ciúme e inveja são sentimentos profundamente destrutivos. Na família
de Jacó houve um serio problema de relacionamento entre os seus filhos. José
era objeto de ciúme e inveja. Seus irmãos rejeitavam os seus sonhos e se
revoltavam contra o pai, por este ter preferência por José. E mais tarde o
venderam como escravo para o Egito.
Na família de Abraão, houve uma grave crise entre Sara e uma serva
chamada Hagar. Deus havia prometido a Sara um filho. Sara não espera o
cumprimento da promessa de Deus, e pede a Abraão que tenha um filho da
escrava. Esta precipitação de sua parte gera uma mais tarde insegurança e
ciúme no coração de Sara contra a Serva. Sara ordena a Abraão que mande-a
embora com seu filho.
Ao lembrarmos-nos da família de Ana, recordamos dos conflitos que ela
enfrentou dentro da sua casa com Penina. Ana era humilhada por não poder
ter filhos. Mas, Deus a honra e abre a sua madre.
Todas estas famílias venceram seus conflitos porque estavam firmadas sobre a
rocha. E este é o primeiro modelo de família.
O primeiro modelo: A família firmada sobre a rocha.

.
1º modelo de família. Josué faz, de novo, concerto com o povo.
Josué 24.14 Agora, pois, temei ao Senhor, e servi-o com sinceridade e
com verdade; deitai fora os deuses a que serviram vossos pais dalém
do Rio, e no Egito, e servi ao Senhor.
15 Mas, se vos parece mal o servirdes ao Senhor, escolhei hoje a quem
haveis de servir; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que
estavam além do Rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra
habitais. Porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor.
Lições para casa firmada na rocha.

1 – Vencer o clik da tentação.
2 – lição Nosso caráter precisa ser um fundamento inabalável, intocável,
incontestável.
3 – Como lidar Nosso fracasso. Controlar nossas síndromes não nos
descontar outros, nem viver com amargura de alma.
4 – exemplo da família.
5 – não da lugar ao diabo.
6 – ser fiel nas palavras. Porque a pior coisa do mundo é lidar com pessoas
que suas palavras não têm prestigio, quando se houve alguém diz quem falou?
Foi fulano, ai se houve olha isto não se escreve.
Nunca sai da memória dos ofendidos. Nós nunca queremos perder nosso
orgulho e nos leva a cova.
7 – Não brincar com sentimento alheio.
Desvalorização pessoal não reconhecer o que recebe de outro ser grato.
Nabal o marido a Abigail foi morto por ser ingrato, e maldizente.

Jó 33.17 para apartar o homem do seu desígnio, e esconder do homem
a soberba;
18 para reter a sua alma da cova, e a sua vida de passar pela espada.
19 Também é castigado na sua cama com dores, e com incessante
contenda nos seus ossos;
20 de modo que a sua vida abomina o pão, e a sua alma a comida
apetecível.
21 Consomem-se a sua carne, de maneira que desaparece, e os seus
ossos, que não se viam, agora aparecem.
22 A sua alma se vai chegando à cova, e a sua vida aos que trazem a
morte.
Determinação com autoridade para Deus operar, e as orações não serem
interrompidas. Porque existe um bloqueio na vida da família quando te engano
4 – como sair desta se coloca na cadeira de réu, e acertam todas as mentiras
as promessas falsas e procura não errar mais.
5 - Procura quem esta “ferido com você”, te humilha debaixo da Mao de
Deus, quem se humilha Deus exalta.

6 - Edificar é melhor do que a morte. Salmo 127:1.: “Se o Senhor não edificar
a casa, em vão trabalham os que edificam”.
Vamos ao segundo modelo de família…
3. O segundo modelo: A família firmada sobre a areia.
26 E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será
comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; 27 e
caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto
contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína. Para construir na
área precisa de colunas fundas com funduras.
4. Conclusão Quero relembrar a você a história de Jó. A família de Jó estava destruída.
Estava no fundo do poço. Das profundezas da sua angustia, Jó ergueu ao céu
dezesseis vezes a pergunta: Por que? Por que estou sofrendo? Por que perdi
os meus filhos? Por que minha dor não cessa? Por que o Senhor não me
mata? Por que o Senhor não responde as minhas orações?
Jó lança para Deus mais de trinta vezes sua queixa amarga. Abre o seu
coração, extravasa a sua dor, espreme as suas feridas e chora as suas
magoas. Como resposta as suas perguntas perturbadoras, naquele momento
ele só escutou o silencio. Deus não queria falar naquela hora.
A mulher de Jó ficou revoltada com Deus e pediu ao seu marido para
amaldiçoa-lo. Os amigos de Jó fizeram-lhe causticas e falsas acusações,
dizendo que ele estava sofrendo por causa de seus graves pecados.
Aquela família estava num nevoeiro denso. Estava precisando de um
avivamento. Então, do meio das trevas da dor, surge a luz da esperança. Do
caos brotou a restauração. Do deserto, uma fonte de esperança começou a
jorrar. Deus se revelou a Jó. Mostrou-lhe sua soberania e seu controle sobre
todas as coisas. Jó compreendeu que os desígnios de Deus não podem ser
frustrados (42.2). O sofrimento de Jó, em vez de endurecê-lo, levou-o para
mais perto de Deus (42.5,G). Deus converteu em benção toda maldição que o
diabo lançou sobre Jó. Tudo o que o diabo tomou de Jó, Deus trouxe de volta.
Deus restaurou os bens de Jó (42.10). Ele ficou o dobro mais rico. Seus
negócios prosperaram. Seus empreendimentos deram certo. A benção de
Deus o enriqueceu.
Deus restaurou a saúde de Jó (42.1G,17). Deus o curou de todas as suas
enfermidades. Ele viveu mais cento e quarenta anos e viu sua descendência se
prolongar na terra.
Deus restaurou o seu casamento (42.12,13). Aquela mulher amarga e
revoltada foi curada por Deus e eles tiveram uma linda história de amor.
Deus restaurou os filhos de Jó (42.13-1G). Deus lhe deu outros dez filhos.
Agora, Jó tem dez filhos no céu e dez filhos na terra. O detalhe e que suas
filhas agora são as mulheres mais bonitas do oriente.
Satanás tentou destruir Jó, mas este saiu da crise mais fortalecida, mais
rica e mais perto de Deus.   fonte www.familanaarca.com.br


Leia mais...

Porque não sonhamos os sonhos de Deus - Por Pr. Gesanias de Oliveira

Romanos 5.5 “E a esperança não se engana, porque Deus derramou seu amor em nossos corações pelo Espírito Santo que ele nos deu.”
Uma das principais características de uma pessoa saudável é a sua capacidade de se iludir. O nascimento de um filho ou neto, uma celebração que se aproxima uma viagem que se materializar, são exemplos de eventos que nos mantêm animado.  Até o dia em que ocorre algo que venha nos desmotivar acaba o animo, e aquilo que era extraordinário passa a ser uma decepção. E quando estamos decepcionados não temos muito animo para nada.
A Bíblia fala de Simeão, um homem devoto que tinha um sonho, ver a libertação de Israel, que Deus havia prometido. Um dia Simeão estava no templo e como de costume a fazerseu serviço sacerdotal e entra um casal com uma criança nos braços para o rito de costume.  Quando ele passa a realizar ecerimonia conforme o livro do Levítico, Na Lei de Moisés continha três prescrições: 1)- purificação da mãe depois de quarenta dias do nascimento do filho; pois ela era considerada imunda.
2)- a consagração a Deus de cada primogênito.
3)-a consagração do primogênito dos  animal e o resgate de cada primogênito de sua criação (Ex 13,2.13).
a)Observação ( Entretanto no texto, Lucas evidencia a apresentação de Jesus no Templo, isto para ressaltar o valor histórico que seus pais realizavam em vista da missão desta criança, Santa por excelência (Lc 1,35).
b) Ele é um consagrado a Deus de maneira única e com uma especial consagração. Além disso, Lucas fundamentando-se no Antigo Testamento, onde a palavra consagração (parestánai) tem a conotação em relação aos Levitas e Sacerdotes que desenvolviam o serviço no nome do Senhor (Dt 17,12; 18,5),
c) vê em Jesus desde aquele momento como o Grande Sacerdote da nova Aliança e também como o Sacerdote que se oferece como sacrifício ofertado (Jesus e apresentado ao pai como sacerdote e como cordeiro).3) Simeão foi animado , a promessa de Deus foi cumprida por ele e agora o homem poderia morrer sossegado já poderia descansar. A esperança no pode morrer Quando uma pessoa vive com forçasanimado e ansioso até o tempo do cumprimento da promessa vem. Algo mantém você animado? Que bênção é ter esperança de que o que vem é maravilhoso!Isso e curiosoEstudos mostram que as pessoas que tirarão o drama para resolver um problema de forma rápida, elas retirarãouma doença drástica e se  recuperaram  mais rapidamente. A mudança de visão é necessária Mude de ilusões para esperança, para se viver bem é preciso ter um alto nível de esperança. A Palavra de Deus diz em Romanos 5. 5 - que "a esperança não decepciona " , ou seja , Deus nos assegura que a pessoa que tem esperança jamais será envergonhado. Porque às vezes perdemos a esperança Existem três razões principais: Porque não outra pessoa, por que eu. Alguém fez uma promessa e nãocumpriu com você, e se sente decepcionado.Ou você prometeu estar ao seu lado de alguéme no momento mais  difícil aquela pessoa não pode contar com você.Ai vem à desesperança na vida de muitos cristãos por ter sido desprezado ou por ter desprezado alguém. Porque nos decepcionamos com a gente mesmo. Por exemplo, você disse: "Este ano vou perder peso” e não perde, e você não poderia ter dito o que você não iria cumprir,"Eu não vou cometer esse erro de novo” e, novamente você comete o mesmo erro.Prometeu um monte de coisas, que mais tarde você não pode cumprir o prometido.
Tudo isso aconteceu por que estava se iludindo a si mesmo e não estava vivendo uma vida de real esperança e não se esforçou para mudar isso.
Porque não sonhamos os sonhos de Deus. Muitas vezes sofremos com o desespero porque que Deus nos prometeu que ia  fazer algo  para chegarmos  lá . Você acha que Deus não agir, e você começa a perder a esperança em Deus.  Você já não acredita que Deus pode fazer qualquer coisa. Você diz: "Eu passei muitos anos lutando e orando para conseguir isso, mas Deus não está ouvindo”. Então você perder a esperança e nem mesmo você pode adorar a Deus, e você já não sentir a sua presença. Você não tem mais força , esse desejo , essa expectativa de esperar que a qualquer momento Deus vai cumprir  com a promessa que ele havia dado.
A esperança é uma arma de vitória para nossas vidas. Então, como podemos obtê-lo de volta? Pense nisso. Não desista dos sonhos de Deus para sua vida, ele não desistiu de você e nem vai desistir. O inimigo das nossas almas quer nos desestimular, nos empurrando para baixo, para uma depressão, mas levante a sua cabeça Deus tem o melhor pra você, Deus tem sonhos a seu respeito e todos podem se cumprir se você souber esperar em Deus.
Simeão não se decepcionou com a promessa de que ele veria o salvador do mundo ele esperou, aguarde Deus nunca deixou de cumprir nenhuma de suas promessas e não vai ser agora que vai nos decepcionar. Confie e a vitoria vira.


Leia mais...
012

Visitantes

289300
HojeHoje120
OntemOntem830
Esta SemanaEsta Semana120
Este MêsEste Mês19501

TV AD-OSASCO

Agenda de Eventos

No Mês passado Julho 2014 No Mês próximo
D 2a 3a 4a 5a 6a S
week 27 1 2 3 4 5
week 28 6 7 8 9 10 11 12
week 29 13 14 15 16 17 18 19
week 30 20 21 22 23 24 25 26
week 31 27 28 29 30 31

Meditação na Palavra

E o SENHOR te dará abundância de bens no fruto do teu ventre, e no fruto dos teus animais, e no fruto do teu solo, sobre a terra que o SENHOR jurou a teus pais te dar.

Deuteronômio - 28:11

Newsletter AD-OSASCO

Cadastre-se em nossa base de dados e fique por dentro de tudo o que acontece na AD-OSASCO